O Renault Arkana já tem patente no INPI

O Renault Arkana já tem patente no INPI

O Renault Arkana já tem patente no INPI, Instituto de Nacional de Propriedade Industrial – o que lhe confere um passo importante antes de chegar ao mercado nacional, o que deve ocorrer entre 2020 e 2021. O crossover-cupê da marca francesa, apresentado na Rússia no ano passado como conceito, ocupará o lugar de destaque do portfólio da empresa, antes do Fluence.

O Arkana se posicionará acima do Captur, mas compartilhará a mesma plataforma com este, embora esta seja bem modificada, a chamada BO+. Isso significa um processo produtivo de custo reduzido e um veículo com maior robustez, apesar de mais simples que a base modular CMF.

Pensado para mercados emergentes, o Renault Arkana vai apostar numa nova tendência de mercado, que é a dos crossovers com estilo de cupê. Mas, diferente dos modelos do segmento premium, este segmento que está surgindo tem a pretensão de ocupar faixa de preços de hatches e sedãs médios.

No caso da Renault, o Arkana vem para buscar um resultado melhor que o Fluence e, de quebra, tentar bater o atual líder dos SUVs, o Jeep Compass. Para isso, além do estilo, aposta também no propulsor 1.3 TCe, que atualmente é compartilhado com a Mercedes-Benz, entregando na marca francesa 115, 130, 140 ou 160 cavalos com até 27,5 kgfm.
Por aqui, obviamente a escolha deverá recair sobre a versão mais potente, que adicionada com a tecnologia flex, pode chegar a 170 cavalos no etanol ou mais. O torque também deve ganhar um extra.

O câmbio CVT é a opção mais viável para o Renault Arkana, mas numa opção de tração 4×4, uma caixa automática tradicional poderia ser usada, algo já visto no Nissan X-Trail no exterior.
Mas, o Renault Arkana, que será feito em São José dos Pinhais-PR, não terá uma vida tão fácil assim em sua proposta. Outro crossover-cupê aparece no horizonte, embora sem substituir um sedã médio de fato, o Fiat Fastback. Feito sobre a plataforma da picape Toro, o SUV surgirá em Goiana-PE.

Para peitar o Arkana 1.3 TCe, o Fiat Fastback deve utilizar o Firefly Turbo com 180 cavalos, embora existe a opção de 150 cavalos, usando assim transmissão automática de seis ou nove marchas, além de opção 4×4. Alguém mais? No Brasil, por ora, somente estes.



Publicado em: 21/02/2019

Commix Soluções Digitais